Make your own free website on Tripod.com

Qualidades do Jornalista

Qualidades do jornalista
Segundo o manual dos participantes do Programa de Treinamento
em Jornalismo Diário da Folha de S. Paulo

Para levar ao leitor a informação mais importante de maneira mais clara, completa e interessante possível, o jornalista deve cultivar qualidades como o ceticismo, curiosidade, ousadia, distanciamento, domínio da língua e um constante anseio por formação e informação.

Ceticismo
Duvide sempre do que ouvir. Muitas fontes são despreparadas ou agem de má-fé, em defesa de interesses particulares. Pergunte-se a quem interessam as versões dos fatos. Não publique nada sem ouvir pelo menos uma outra fonte, a não ser que a origem não deixe qualquer margem de dúvida.
Informações numéricas têm uma aura de exatidão, mas muitas vezes servem como disfarce para inverdades ou meias-verdades. Não aceite números, cifras, dados estatísticos descontextualizados ou sem fonte. Pergunte como foram obtidos, qual o universo pesquisado, a que período se referem e refaça as contas.

Curiosidade
Procure novos ângulos e novos desdobramentos dos fatos. Não volte com dúvidas à Redação. Nunca tenha vergonha de perguntar algo que não tenha ficado claro: seu compromisso é com o leitor e ele tem direito a uma explicação completa e exata.

Ousadia
Invente pautas, coberturas, artes, invente maneiras de contar histórias. Procure novidades, mantenha-se ligado no mundo extra-Redação. Seja audacioso na reportagens sem ser desrespeitoso com os entrevistados. Tenha em mente que quem é ousado corre o rico de errar. Assuma esse risco sempre que puder mostrar que sua ousadia estava a serviço de uma reportagem melhor, de um texto melhor, e um jornal melhor.

Distanciamento
Você não tem compromisso com ninguém a não ser com o leitor. Seja imparcial, relate todos os lados envolvidos em sua reportagem. Não basta enfileirar versões diferentes, é preciso checa-las e contextualizá-las.

Domínio da língua
Escrever sem erros de gramática e ortografia não é mais que obrigação. Você deve dominar a língua para ir além disso: para relatar os fatos de forma encadeada, clara e interessante. Uma das melhores maneiras de melhorar seu texto é ler muito. Pode ser ficção - Machado de Assis é um exemplo - ou não - Hans Magnus Enzensberger é outro. Basta ser alguém que alie inteligência, clareza, riqueza de narrativa.
Mesmo assim, não descuide nunca do português. Cheque grafias e regras gramaticais. Muitas construções da língua portuguesa não têm normas fixas, e não há vergonha em perguntar.
A Folha tem um professor de português na Redação e possui um serviço telefônico de auxílio a dúvidas.

Formação e Informação
Sua capacidade de informar está diretamente ligada a sua capacidade de compreender um assunto e pô-lo em contexto. Prepare-se antes de suas entrevistas e reportagens. Mesmo nos dias corridos, uma consulta ao banco de dados on-line amplia sua informação sobre o assunto em pouco tempo. È sempre melhor do que nada.
Mantenha fontes que possam ajudá-lo a compreender os acontecimentos ou a destrinchar especificidades técnicas. Não tenha vergonha de perguntar, qualquer fonte prefere ler um texto correto no dia seguinte a ser poupada de perguntas e surpreender-se depois. Aumente sua cultura geral, faça cursos, viaje, estude história. Só assim você será capaz de dar ao leitor o que ele quer: informação contextualizada, analisada, bem editada.
A Folha incentiva seus profissionais a estudar e reciclar seus conhecimentos.
Por último, nunca deixe de ler os jornais do dia e , se tiver tempo, leia jornais estrangeiros, ótimas fontes de pautas, enfoques e estilo.

Atributos do Texto
O Texto Jornalístico deve ser exato, objetivo, didático e dotado de responsabilidade. Sem isso, ele não contribui para formação cultural do leitor, pode induzi-lo a interpretações erradas dos fatos ou prejudicar pessoas, instituições ou comunidades.

Exatidão
Informações devem ser corretas e completas. Apure, cheque e pesquise ao máximo para oferecer a notícia da forma mais ampla possível. Tenha cuidado com cifras, números, grafias de nomes, identificação dos personagens, idades, horários, datas, locais, declarações de entrevistados.

Objetividade
Uma notícia é mais objetiva quando traz dados concretos e exatos. Você não precisa usar adjetivos para dimensionar ou qualificar um acontecimento. Apure, colete informações que sustentem o texto. Uma descrição crua, limpa e rica pode ter mais força e impacto do quem um texto cheio de adjetivos.
Ser objetivo é também contemplar as diversas versões do fato.

Voltar à Página Principal